Dados Técnicos para EWAD-E-SS

EWAD100E-SS EWAD120E-SS EWAD140E-SS EWAD160E-SS EWAD180E-SS EWAD210E-SS EWAD260E-SS EWAD310E-SS EWAD360E-SS EWAD410E-SS
Capacidade de arrefecimento Nom. kW 101 (1) 121 (1) 138 (1) 163 (1) 183 (1) 213 (1) 255 (1) 306 (1) 359 (1) 411 (1)
Controlo da capacidade Desodorizante   Variação contínua Variação contínua Variação contínua Variação contínua Variação contínua Variação contínua Variação contínua Variação contínua Variação contínua Variação contínua
  Capacidade mínima % 25.0 25.0 25.0 25.0 25.0 25.0 25.0 25.0 25.0 25.0
Potência nominal Arrefecimento Nom. kW 39.1 (1) 47.5 (1) 53.9 (1) 60.9 (1) 69.0 (1) 72.4 (1) 87.8 (1) 112 (1) 134 (1) 147 (1)
EER 2.58 (1) 2.54 (1) 2.55 (1) 2.67 (1) 2.64 (1) 2.95 (1) 2.90 (1) 2.73 (1) 2.67 (1) 2.80 (1)
ESEER 2.84 2.83 2.66 2.84 2.73 2.93 3.08 2.96 3.13 3.24
Dimensões Unidade Profundidade mm 2,165 2,165 3,065 3,065 3,965 3,965 3,070 3,070 3,070 3,070
    Altura mm 2,273 2,273 2,273 2,273 2,273 2,273 2,223 2,223 2,223 2,223
    Largura mm 1,292 1,292 1,292 1,292 1,292 1,292 2,236 2,236 2,236 2,236
Peso Peso em funcionamento kg 1,699 1,699 1,881 1,881 2,116 2,116 2,963 2,963 2,963 2,963
  Unidade kg 1,684 1,684 1,861 1,861 2,086 2,086 2,919 2,919 2,919 2,919
Permutador de calor da água Tipo   Permutador de placas Permutador de placas Permutador de placas Permutador de placas Permutador de placas Permutador de placas Permutador de placas Permutador de placas Permutador de placas Permutador de placas
  Volume de água l 12 15 17 20 24 30 25 30 36 44
Permutador de ar Tipo   Alheta de elevada eficiência e tipo de tubo com sub-arrefecedor integral Alheta de elevada eficiência e tipo de tubo com sub-arrefecedor integral Alheta de elevada eficiência e tipo de tubo com sub-arrefecedor integral Alheta de elevada eficiência e tipo de tubo com sub-arrefecedor integral Alheta de elevada eficiência e tipo de tubo com sub-arrefecedor integral Alheta de elevada eficiência e tipo de tubo com sub-arrefecedor integral Alheta de elevada eficiência e tipo de tubo com sub-arrefecedor integral Alheta de elevada eficiência e tipo de tubo com sub-arrefecedor integral Alheta de elevada eficiência e tipo de tubo com sub-arrefecedor integral Alheta de elevada eficiência e tipo de tubo com sub-arrefecedor integral
Fan Caudal de ar Nom. l/s 10,924 10,576 16,386 15,865 21,848 21,153 32,772 32,772 31,729 31,729
  Velocidade rpm 900 900 900 900 900 900 900 900 900 900
Compressor Quantidade_   1 1 1 1 1 1 1 1 1 1
  Compressor-=-Type   Compressores de mono parafuso Compressores de mono parafuso Compressores de mono parafuso Compressores de mono parafuso Compressores de mono parafuso Compressores de mono parafuso Compressor de fuso único assimétrico Compressor de fuso único assimétrico Compressor de fuso único assimétrico Compressor de fuso único assimétrico
Nível de potência sonora Arrefecimento Nom. dBA 92 92 92 92 93 94 94 94 94 95
Nível de pressão sonora Arrefecimento Nom. dBA 74 (2) 74 (2) 74 (2) 74 (2) 74 (2) 75 (2) 75 (2) 75 (2) 75 (2) 76 (2)
Fluido frigorigéneo Tipo   R-134a R-134a R-134a R-134a R-134a R-134a R-134a R-134a R-134a R-134a
  GWP   1,430 1,430 1,430 1,430 1,430 1,430 1,430 1,430 1,430 1,430
  Circuitos Quantidade   1 1 1 1 1 1 1 1 1 1
Carga Por circuito kg 18.0 21.0 23.0 28.0 34.0 39.0 46.0 46.0 56.0 74.0
  Por circuito TCO2Eq 25.7 30.0 32.9 40.0 48.6 55.8 65.8 65.8 80.1 105.8
Alimentação eléctrica Fase   3~ 3~ 3~ 3~ 3~ 3~ 3~ 3~ 3~ 3~
  Frequência Hz 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50
  Tensão V 400 400 400 400 400 400 400 400 400 400
Compressor Método de arranque_   Estrela - triângulo Estrela - triângulo Estrela - triângulo Estrela - triângulo Estrela - triângulo Estrela - triângulo Estrela - triângulo Estrela - triângulo Estrela - triângulo Estrela - triângulo
Notas (1) - Arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total. (1) - Arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total. (1) - Arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total. (1) - Arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total. (1) - Arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total. (1) - Arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total. (1) - Arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total. (1) - Arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total. (1) - Arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total. (1) - Arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total.
  (2) - Os níveis de pressão sonora são medidos a temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total; Standard: ISO3744 (2) - Os níveis de pressão sonora são medidos a temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total; Standard: ISO3744 (2) - Os níveis de pressão sonora são medidos a temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total; Standard: ISO3744 (2) - Os níveis de pressão sonora são medidos a temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total; Standard: ISO3744 (2) - Os níveis de pressão sonora são medidos a temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total; Standard: ISO3744 (2) - Os níveis de pressão sonora são medidos a temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total; Standard: ISO3744 (2) - Os níveis de pressão sonora são medidos a temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total; Standard: ISO3744 (2) - Os níveis de pressão sonora são medidos a temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total; Standard: ISO3744 (2) - Os níveis de pressão sonora são medidos a temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total; Standard: ISO3744 (2) - Os níveis de pressão sonora são medidos a temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. ar ambiente 35°C; funcionamento em carga total; Standard: ISO3744
  (3) - Tolerância de tensão permitida ± 10%. O desequilíbrio da tensão entre fases tem de ser ± 3%. (3) - Tolerância de tensão permitida ± 10%. O desequilíbrio da tensão entre fases tem de ser ± 3%. (3) - Tolerância de tensão permitida ± 10%. O desequilíbrio da tensão entre fases tem de ser ± 3%. (3) - Tolerância de tensão permitida ± 10%. O desequilíbrio da tensão entre fases tem de ser ± 3%. (3) - Tolerância de tensão permitida ± 10%. O desequilíbrio da tensão entre fases tem de ser ± 3%. (3) - Tolerância de tensão permitida ± 10%. O desequilíbrio da tensão entre fases tem de ser ± 3%. (3) - Tolerância de tensão permitida ± 10%. O desequilíbrio da tensão entre fases tem de ser ± 3%. (3) - Tolerância de tensão permitida ± 10%. O desequilíbrio da tensão entre fases tem de ser ± 3%. (3) - Tolerância de tensão permitida ± 10%. O desequilíbrio da tensão entre fases tem de ser ± 3%. (3) - Tolerância de tensão permitida ± 10%. O desequilíbrio da tensão entre fases tem de ser ± 3%.
  (4) - Corrente máxima de arranque: corrente de arranque do maior compressor + 75% da corrente máxima do outro compressor + corrente dos ventiladores para o circuito a 75% (4) - Corrente máxima de arranque: corrente de arranque do maior compressor + 75% da corrente máxima do outro compressor + corrente dos ventiladores para o circuito a 75% (4) - Corrente máxima de arranque: corrente de arranque do maior compressor + 75% da corrente máxima do outro compressor + corrente dos ventiladores para o circuito a 75% (4) - Corrente máxima de arranque: corrente de arranque do maior compressor + 75% da corrente máxima do outro compressor + corrente dos ventiladores para o circuito a 75% (4) - Corrente máxima de arranque: corrente de arranque do maior compressor + 75% da corrente máxima do outro compressor + corrente dos ventiladores para o circuito a 75% (4) - Corrente máxima de arranque: corrente de arranque do maior compressor + 75% da corrente máxima do outro compressor + corrente dos ventiladores para o circuito a 75% (4) - Corrente máxima de arranque: corrente de arranque do maior compressor + 75% da corrente máxima do outro compressor + corrente dos ventiladores para o circuito a 75% (4) - Corrente máxima de arranque: corrente de arranque do maior compressor + 75% da corrente máxima do outro compressor + corrente dos ventiladores para o circuito a 75% (4) - Corrente máxima de arranque: corrente de arranque do maior compressor + 75% da corrente máxima do outro compressor + corrente dos ventiladores para o circuito a 75% (4) - Corrente máxima de arranque: corrente de arranque do maior compressor + 75% da corrente máxima do outro compressor + corrente dos ventiladores para o circuito a 75%
  (5) - Corrente nominal no modo de arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. do ar ambiente 35°C. Compressor + corrente dos ventiladores. (5) - Corrente nominal no modo de arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. do ar ambiente 35°C. Compressor + corrente dos ventiladores. (5) - Corrente nominal no modo de arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. do ar ambiente 35°C. Compressor + corrente dos ventiladores. (5) - Corrente nominal no modo de arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. do ar ambiente 35°C. Compressor + corrente dos ventiladores. (5) - Corrente nominal no modo de arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. do ar ambiente 35°C. Compressor + corrente dos ventiladores. (5) - Corrente nominal no modo de arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. do ar ambiente 35°C. Compressor + corrente dos ventiladores. (5) - Corrente nominal no modo de arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. do ar ambiente 35°C. Compressor + corrente dos ventiladores. (5) - Corrente nominal no modo de arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. do ar ambiente 35°C. Compressor + corrente dos ventiladores. (5) - Corrente nominal no modo de arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. do ar ambiente 35°C. Compressor + corrente dos ventiladores. (5) - Corrente nominal no modo de arrefecimento: temp. da água de entrada do evaporador 12°C; temp. da água de saída do evaporador 7°C; temp. do ar ambiente 35°C. Compressor + corrente dos ventiladores.
  (6) - A corrente de funcionamento máxima baseia-se na corrente máxima absorvida do compressor no seu invólucro e na corrente máxima absorvida dos ventiladores (6) - A corrente de funcionamento máxima baseia-se na corrente máxima absorvida do compressor no seu invólucro e na corrente máxima absorvida dos ventiladores (6) - A corrente de funcionamento máxima baseia-se na corrente máxima absorvida do compressor no seu invólucro e na corrente máxima absorvida dos ventiladores (6) - A corrente de funcionamento máxima baseia-se na corrente máxima absorvida do compressor no seu invólucro e na corrente máxima absorvida dos ventiladores (6) - A corrente de funcionamento máxima baseia-se na corrente máxima absorvida do compressor no seu invólucro e na corrente máxima absorvida dos ventiladores (6) - A corrente de funcionamento máxima baseia-se na corrente máxima absorvida do compressor no seu invólucro e na corrente máxima absorvida dos ventiladores (6) - A corrente de funcionamento máxima baseia-se na corrente máxima absorvida do compressor no seu invólucro e na corrente máxima absorvida dos ventiladores (6) - A corrente de funcionamento máxima baseia-se na corrente máxima absorvida do compressor no seu invólucro e na corrente máxima absorvida dos ventiladores (6) - A corrente de funcionamento máxima baseia-se na corrente máxima absorvida do compressor no seu invólucro e na corrente máxima absorvida dos ventiladores (6) - A corrente de funcionamento máxima baseia-se na corrente máxima absorvida do compressor no seu invólucro e na corrente máxima absorvida dos ventiladores
  (7) - A corrente máxima da unidade para medição dos fios baseia-se na tensão mínima permitida. (7) - A corrente máxima da unidade para medição dos fios baseia-se na tensão mínima permitida. (7) - A corrente máxima da unidade para medição dos fios baseia-se na tensão mínima permitida. (7) - A corrente máxima da unidade para medição dos fios baseia-se na tensão mínima permitida. (7) - A corrente máxima da unidade para medição dos fios baseia-se na tensão mínima permitida. (7) - A corrente máxima da unidade para medição dos fios baseia-se na tensão mínima permitida. (7) - A corrente máxima da unidade para medição dos fios baseia-se na tensão mínima permitida. (7) - A corrente máxima da unidade para medição dos fios baseia-se na tensão mínima permitida. (7) - A corrente máxima da unidade para medição dos fios baseia-se na tensão mínima permitida. (7) - A corrente máxima da unidade para medição dos fios baseia-se na tensão mínima permitida.
  (8) - Corrente máxima para medição dos fios: (amperes em carga total dos compressores + corrente dos ventiladores) x 1.1 (8) - Corrente máxima para medição dos fios: (amperes em carga total dos compressores + corrente dos ventiladores) x 1.1 (8) - Corrente máxima para medição dos fios: (amperes em carga total dos compressores + corrente dos ventiladores) x 1.1 (8) - Corrente máxima para medição dos fios: (amperes em carga total dos compressores + corrente dos ventiladores) x 1.1 (8) - Corrente máxima para medição dos fios: (amperes em carga total dos compressores + corrente dos ventiladores) x 1.1 (8) - Corrente máxima para medição dos fios: (amperes em carga total dos compressores + corrente dos ventiladores) x 1.1 (8) - Corrente máxima para medição dos fios: (amperes em carga total dos compressores + corrente dos ventiladores) x 1.1 (8) - Corrente máxima para medição dos fios: (amperes em carga total dos compressores + corrente dos ventiladores) x 1.1 (8) - Corrente máxima para medição dos fios: (amperes em carga total dos compressores + corrente dos ventiladores) x 1.1 (8) - Corrente máxima para medição dos fios: (amperes em carga total dos compressores + corrente dos ventiladores) x 1.1
  (9) - Fluido: Água (9) - Fluido: Água (9) - Fluido: Água (9) - Fluido: Água (9) - Fluido: Água (9) - Fluido: Água (9) - Fluido: Água (9) - Fluido: Água (9) - Fluido: Água (9) - Fluido: Água
  (10) - Para mais informações sobre os limites de funcionamento, consulte o Software de seleção do chiller (CSS). (10) - Para mais informações sobre os limites de funcionamento, consulte o Software de seleção do chiller (CSS). (10) - Para mais informações sobre os limites de funcionamento, consulte o Software de seleção do chiller (CSS). (10) - Para mais informações sobre os limites de funcionamento, consulte o Software de seleção do chiller (CSS). (10) - Para mais informações sobre os limites de funcionamento, consulte o Software de seleção do chiller (CSS). (10) - Para mais informações sobre os limites de funcionamento, consulte o Software de seleção do chiller (CSS). (10) - Para mais informações sobre os limites de funcionamento, consulte o Software de seleção do chiller (CSS). (10) - Para mais informações sobre os limites de funcionamento, consulte o Software de seleção do chiller (CSS). (10) - Para mais informações sobre os limites de funcionamento, consulte o Software de seleção do chiller (CSS). (10) - Para mais informações sobre os limites de funcionamento, consulte o Software de seleção do chiller (CSS).
  (11) - O equipamento contém gases fluorados que provocam efeito de estufa. A carga real de fluido frigorigéneo depende da construção da unidade final, podem ser encontradas informações nas etiquetas da unidade. (11) - O equipamento contém gases fluorados que provocam efeito de estufa. A carga real de fluido frigorigéneo depende da construção da unidade final, podem ser encontradas informações nas etiquetas da unidade. (11) - O equipamento contém gases fluorados que provocam efeito de estufa. A carga real de fluido frigorigéneo depende da construção da unidade final, podem ser encontradas informações nas etiquetas da unidade. (11) - O equipamento contém gases fluorados que provocam efeito de estufa. A carga real de fluido frigorigéneo depende da construção da unidade final, podem ser encontradas informações nas etiquetas da unidade. (11) - O equipamento contém gases fluorados que provocam efeito de estufa. A carga real de fluido frigorigéneo depende da construção da unidade final, podem ser encontradas informações nas etiquetas da unidade. (11) - O equipamento contém gases fluorados que provocam efeito de estufa. A carga real de fluido frigorigéneo depende da construção da unidade final, podem ser encontradas informações nas etiquetas da unidade. (11) - O equipamento contém gases fluorados que provocam efeito de estufa. A carga real de fluido frigorigéneo depende da construção da unidade final, podem ser encontradas informações nas etiquetas da unidade. (11) - O equipamento contém gases fluorados que provocam efeito de estufa. A carga real de fluido frigorigéneo depende da construção da unidade final, podem ser encontradas informações nas etiquetas da unidade. (11) - O equipamento contém gases fluorados que provocam efeito de estufa. A carga real de fluido frigorigéneo depende da construção da unidade final, podem ser encontradas informações nas etiquetas da unidade. (11) - O equipamento contém gases fluorados que provocam efeito de estufa. A carga real de fluido frigorigéneo depende da construção da unidade final, podem ser encontradas informações nas etiquetas da unidade.